ENXERGAVA TUDO PRETO, PONTILHADO COMO SE TIVESSE CAIDO EM UM APARELHO FORA DO AR, CHAPISCADO CALEIDOSCÓPIO NEGRO DE VERÃO. SENTADA NO BARCO CONTINUEI IMÓVEL DE CORPO, POR QUE A MENTE TINHA A VORAZ ÂNSIA DE ESCREVER QUALQUER COISA, QUALQUER LINHA ABSURDA, DESNUDA, AGUDA , FELPUDA, CASACUDA, LÍRICA, TESUDA, CARNUDA, DUVIDOSA, ASQUEROSA, SEI LÁ...

sábado, 12 de março de 2016

Na esquina


Fica na mesma esquina, toda arrumada, com duas malas gigantes de viagem. A primeira vez, dei bom dia. No segundo dia, também. Sempre na mesma hora, metodicamente, estranha. Comecei a sentir um peso. Será que estava esperando alguém? Parecia perdida. Espera. Anda de um lado para o outro. Espera. Confere o relógio. Espera. Acompanha um carro que passa. Espera. Encara alguém que cruza a esquina com olhar vidrado, como se contasse alguma coisa. Espera. Tem certa poesia naquilo, uma beleza profunda, um segredo angustiante pela passividade resignada. O peso foi aumentando, os dias passando, as horas, o tempo. Bom dia! Entontecida olhei para minhas mãos e vi as malas gigantes, estava toda arrumada, na mesma esquina, o peso. Espero. Espero alguém? Quem? Será que chega? O quê? Quando? Deixa ver ali. Que hora são? Um carro... É ela? Ele? Eu?  

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Madame Tormenta na III edição do Sarau-Rock'n Canelinha



Exus na capa da noite soltaram a gargalhada e avisaram a cilada pros Orixás... 



Texto: Tiro de Misericórdia
Artista: João Bosco
Mais sobre o Sarau Rock'n Canelinha 


domingo, 31 de março de 2013

O Cosmonauta Russo


video
Another Earth: The Russian Cosmonaut


O primeiro homem a chegar ao espaço foi russo e não americano como a maioria pensa. A Rússia venceu o EUA nessa viagem à Lua. O Cosmonauta Russo foi o primeiro homem a ver o planeta que vivia de fora para dentro, a enfrentar a imensidão do espaço. Partiu em uma nave enorme, mas o compartimento em que viajava era bem pequeno, minúsculo em relação à nave; um armário. Ele não se importava com isso, sentia-se pleno. Aquela era a experiência única da sua vida, na verdade, era a experiência única de várias vidas que depositaram no viajante um mundo de sonhos e expectativas. Depois do dia em que o primeiro homem partiu para a Lua, nada foi como antes. A visão da Terra mudou para sempre, a vastidão do espaço inalcançável seria repensada. O Cosmonauta Russo estava indo muito bem, até que um dia aparentemente normal como os outros, começou a ouvir um ruído, uma nota agonizante feito o som de uma martelada espaçada por milésimos de segundos, talvez mais, ou menos, o tempo no espaço é difícil de ser mensurado como estamos acostumados. Ele achou que o estranho barulho vinha do painel de controle. Arrancou o painel inteiro, peça por peça, mas não parava. Algum tempo depois, horas, aquilo se tornou uma tortura, e por mais que ele tentasse esquecer, pensar em outra coisa ou fingir que não estava ouvindo... O barulho seguia contínuo, inalterado. Escutava-o idêntico, no mesmo tom, em qualquer lugar do reduzido compartimento. Muito tempo depois, dias, percebeu que aquele ruído ininterrupto acabaria comprometendo sua sanidade. Enlouqueceria sozinho no espaço, vítima de um inexplicável ruído. Então pensou que a única forma de conviver com aquele som desesperador, seria se apaixonando por ele. Ele precisava se apaixonar por aquele barulho... Respirou fundo, fechou os olhos de probabilidade e entregou-se à imaginação de corpo e alma, manteve-se nesse mantra por tempo indeterminado, horas, dias, segundos... Abriu os olhos (silêncio) e lentamente, ao invés do barulho, ele passou a ouvir música. Fabuloso! Ainda lhe faltavam 25 dias para concluir a viagem. Ele seguiu desbravando o espaço extasiado de prazer pela misteriosa música que sempre sonhou escutar, mas nunca dera importância. 

(Perspectiva da Madame Tormenta)

quinta-feira, 7 de março de 2013

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

38A Centro - Engenho do Mato

Cristo na Coluna (1966); desenho em nanquim sobre papel. 
Por Carybé 

Ônibus lotado. Subi hesitante na esperança de alguma sorte. O espaço central é confortavelzinho: tem aquele vão do elevador para cadeirantes.  Fiquei ali, desconectada do mundo. Lendo um livro sobre a origem do Universo. O cientista explicava a estranheza desencadeada pela perfeição do início das coisas – como se o universo tivesse sido conscientemente projetado para permitir o surgimento da vida. Percebi a potência do advérbio na supressão da realidade a que somos levados acreditar. O enredamento da trama. Especulações: inúmeras teorias da imaginação científica também o são. Imersa no livro, fui tomada de assalto com os gritos descontrolados de um rapaz logo atrás de mim. Ruídos profundos borbulhavam do nada. Extremos. Esgoelava-se agarrado ao ferro como se tentasse arrancar nos dentes a suspensão do ônibus. O tom da voz sofrendo mudanças drásticas. Senti a garganta um pouco seca, a boca entreaberta de pavor, assombro. Ele, o rapaz, sofria de estranho mecanismo, espécie de transe: o corpo espasmódico, gargalhando estridente, os dentes enormes pendiam das gengivas escurecidas. Tudo começou no túnel em São Francisco. O rapaz franzino assumiu proporções inimagináveis, aterradoras. O pânico tomou conta dos passageiros. Todos gritavam, assustados, surpresos; desconfiados, corriam, encolhiam-se, tremiam, arrepiavam-se. Uns até achavam graça. Ninguém era capaz de prever a natureza das sensações. O ônibus parou. O motorista veio investigar. Chama uma ambulância, sugeriu a mulher enquanto rolava a roleta. É coisa de demônio mesmo! Disse o motorista analisando. Soou a corneta. Passageiros saíam descompensados. Amontoavam-se para conseguir escapar da ameaça invisível. O que poderia ser? Um garoto de uns 15, 16 anos, gritando e rindo faceiro? O bombardeio energético quebrava sua estabilidade emocional. Em espasmos abstraia o concreto. Lapsos da personalidade eram percebidos. Sintomas da possessão? Subitamente, depois de aberta clareira no corredor, braços fortes envolveram a entidade. As veias do negro esturricavam. Entoava cânticos de alento para libertar o hospedeiro. Exú, dizia pulsante. Um odor insuportável infestava o ônibus. O motor retomou as engrenagens. O ônibus balançava na Avenida. O som metálico produzido pelas ferragens atormentava os ouvidos. A estranha sinfonia acrescentava volume ao exorcismo. Pessoas em círculo estenderam as mãos em reza, repetiam incessantemente uma mesma frase. Não posso lembrar, estava fora de mim. Sensação de ausência, de peso, de temporalidade. Visão panorâmica. O corredor do ônibus transportou-nos para uma espécie de limbo. A brisa sobrenatural, a crença, palavras de luta; o desdém e o terror aos poucos adormeceram a força que se apoderara do rapaz. Então arregalou olhos sanguíneos de animal indefeso – travado no pescoço e na cintura pelo homem com o dobro de seu tamanho. Olhei nos olhos agoniados; toquei no braço direito dele com a minha mão esquerda. Vai ficar tudo bem. Explosão de braços e pernas: o negão deu um tranco para trás; eu quase perdi a estabilidade – meu livro voou. Apressei-me em resgatá-lo. Cuidado com suas coisas! Disse um cara, como se tudo fosse um show para roubar míseros trocados dos passageiros. Não sabia em que acreditar; via e sentia ignorante a qualquer indício de manifestação do imaginário popular. Um sutilíssimo suspiro e o rapaz exausto, preciso ir pra casa. O negão colocou o rapaz sentado num banco – envergonhado pelo vácuo incerto do ocorrido. Piscava fortemente; uma ânsia de choro. A viagem aqui é noite. O rosto receoso soprava vestígios de matéria morta. Na floresta negra caminhava solitário. Os olhos revirados. No ponto seguinte, soltou como um metal pesado; e cingiu vestes de cavaleiro do apocalipse.

sábado, 1 de setembro de 2012

preliminares para o próximo encontro

Abro as Luas de Setembro com uma briga de casal. Seriam vestígios de Agosto? - Pensariam alguns mais supersticiosos. Acho que não, respondo. É sorver a reconquista de cada manhã, é conseguir estar e manter-se vivo ao lado de quem ama... é o lucro da matéria, do produto corpo, dos fantasmas do instante, da vida esboçada em sépia cor de sangue... Tormenta!

Romeu e Julieta agora

The Dreamers by Bernardo Bertolucci




M: Oi amor!

H: Oi

M: Que foi?

H: Nada. E a festa foi boa?

M: Ah! Foi ótima. Amigas e a música bem legal... essas coisas

H: Quem estava?

M: Ora... eu a Lola, cristine, valeska... ah um monte, as de sempre, aquelas outras que eu não sei.

H: Todas malas.

M: São nada. São queridas... tá, às vezes sim. E você, como está o trabalho?

H: Tá bom. Mas fala mais da festa. Muito homem? Alguém chegou em você?

M: Não... sim! Mas e daí?

H: E daí o quê? Como foi?

M: ...foi nada. O cara chegou, quis conversar. Antes achei que ele queria pegar o isqueiro emprestado. Estava meio bêbada. Depois me dei conta é de que ele queria mais papo mesmo.

H: Humm! E você deu?

M: Dei o quê?

H: Papo, porra! Deu papo pra o playboy?

M: Não... sim! Mas e daí? Foi só uma conversa e mais nada.

H: Era bonito?

M: Era.

H: Fazia o quê?

M: Qual a diferença?

H: Quero saber, por que algum problema? É só uma conversa.

M: Não... Era violinista.

H: Então você curtiu o cara.

M: Claro que não! Quer dizer, só acho engraçado, quando a gente tá solteira essas coisas não acontecem Assim, né?

H: Como Assim? Que coisas?

M: Ué... chegar um cara bonito e interessante pra conversar numa festa qualquer, sem possibilidades.

H: Então não sou bonito nem interessante?

M: Amoooor! Porque você tá falando isso?

H: Porque você acabou de falar.

M: Eu não falei nada disso... esse assunto está muito estranho. Pergunta o que você tá querendo saber.

H: Eu quero que você fale.

M: Falar o quê?

H: O que você deveria me contar.

M: E o que eu deveria te contar?

H: Você é quem sabe.

M: Não, não sei não. Você quer que eu te conte alguma coisa que Você sabe, eu não.

H: Tá! Como você cortou o cara?

M: Eu disse: amigo, é namoro ou amizade? Amizade!

H: Só isso?

M: É.

H: E ele saiu? Desistiu?

M: Sim.

H: Um fraco.

M: Ah! Vamo parar com essa babaquice...

H: Por quê? Não! Quero que você fale mais dele.

M: Do cara? Pra quê?

H: Porque eu to a fim.

M: Tá! Ele morou um ano na França, ama Villa Lobos e vai pra Nova York semana que vem.

H: Então o mauricio fala francês?

M: Deve falar...  e daí?

H: E daí que você também ama Villa Lobos.

M: Sim, é meu ídolo.

H: Eu sei... você tem Villa Lobos no celular... nunca vi uma pessoa que só escuta rock n' roll e blá-blá-blá e tem Villa Lobos no celular. Isso é muito estranho!

M: Não acho... Eu amo música clássica, vira e mexe escuto. Você está cansado de saber.

H: É! Eu sei. Mas acho meio chato. Bem chato.

M: E daí?

H: E também não falo francês.

M: Aonde você quer chegar com isso tudo?

H: Diz você.

M: Dizer o quê? Que merda porra você tá doidão?

H: Ficou nervosa? Tem alguma coisa pra me contar?

M: O quê? O que você quer que eu te conte? Que trepei loucamente com esse cara?

H: Já é um começo. E como foi? Ele é melhor do que eu?

M: Porra eu não to ouvindo isso. Eu mereço!

H: É ou não é?

M: Cara, para de viajar. Acorda! Eu não transei com o cara.

H: Então foi só um amasso?

M: Que? Não! Não teve nem um estalinho.

H: Não acredito. O cara era perfeito... até parece.

M: Já entendi tudo. Já sei qual é a sua.

H: Como assim?

M: Tu fez alguma merda não é?! Você trepou com alguma vagabunda e quer transmitir a culpa pra mim. Todo esse seu blábláblá de “se você me trair vou te matar” e “morro de ciúmes de você” e “minha dependência psicológica é maior do que a física e blábláblá”. Você tá fazendo merda. Fala! Quem é a piranha? Quem?

H: Você é a piranha. Sua puta disfarçada.

M: Seu... peraí que eu já volto!

(barulho na cozinha)

H: O quê? O que que você tá querendo aí?

M: Anda, fala, quem é a vagabunda?

H: Pra que isso? Você tá me ameaçando? É bom que esteja afiada.

M: Anda! Fala! Para de me enrolar! Olha, se eu descobrir vou desfigurar tua cara, você vai virar um monstro.

H: Não ligo.

M: Anda fala! Para de fingir que a escrota sou eu.

H: Me dá essa merda aqui!

M: NÃÃÃÃÃOOO!... Me larga seu desgraçado eu te odeio me deixa em paz!

H: Sou bem mais forte que você, que história é essa de aparecer com essa merda? Tu tá maluca? Fica me ameaçando como se eu fosse um bandido, um desconhecido...

M: (aos prantos) Por que você faz isso?

H: Não chora... vem cá. Eu te amo... Você é tudo pra mim. Tudo! Nem durmo direito... eu só penso merda mesmo... não posso te perder de jeito nenhum. Eu sei que esse cara era muito foda, mas esquece ele.

M: Você é maluco.

H: Não. Só obcecado. Me dá um beijo.... Eu te amo.

M: Eu te amo. 


terça-feira, 26 de junho de 2012

Deusa do submundo em seu Ritual

Cleopatra por Daya Gibeli


Ginoliterata. Aos desavisados fingia-se de mendiga. Andava por ruas e ruas falando e rindo. Falava e ria sozinha para iludir indiferença alheia. Nos grandes mercados dos capitalistas é difícil carregar um bem precioso sem ser notada. Era algo reluzente, poderia ser vendido, mas nunca comprado. O paradoxo. A mulher quase cigana de traços marítimos - deusa do submundo. O revoar das horas e os mercadores começavam a recolher suas tralhas. Somente ela, aos poucos, dava peso e matéria, cobrindo o chão com seus frutos. Cantava. Olhares eram descobertos em diferentes pontos. Fixos, fugidios, encabulados. O suculento mistério da mulher. Ela amorosamente descalça, retalhada, com leveza ofertava-lhes suas mercadorias que poderiam ser vendidas, mas nunca compradas. O paradoxo. Mantinha-se ali, debruçada sobre si mesma. Esquecida em clareira aberta para o mundo. Em Ritual flutuando feito um ectoplasma. Batendo tênue o corpo de papel. O frenesi da surpresa e seu sabor. O assombro de todos ao ver surgir o bem mais precioso... Ainda curvada, esconde  um dos braços nas pétalas da grande saia, os dedos em pinça, no fundo, além da brilhante beleza de escuras rodeada de mucosa palpitante, retira embebida, a palavra.  

sexta-feira, 15 de junho de 2012

preâmbulos dialógicos caminhantes rua-ante-rua

No Portão

Bom dia Dona Filhinha.
Dia.
Passeando?
Lutando contra o reumatismo.
Bom... E Seu Nilo?
O homem só dorme, não levanta nem pra cuspir...
Ah, então é bom de cama.
Hoje num chove não. 

No Saara

Ô Moço, é tu?
Sou.
Quanto é o óculos?
R$20
É de homem?
Também pode ser.
Ah não! Quero um só de homem.
Tem esse aqui, lente hi-tech, da moda, do estrangeiro...
É?
Ô! ó a carcaça.
Tá.
O carinha vai..
Meu pai, ele tem rosto largo. Coloca ai pra mim ver. 
Ele é paraíba?
Não é gordinho mesmo... Só tenho dez.
Pó leva.


Brumas Machadianas

Bom dia.
Bom dia.
Tem Machado de Assis?
Claro!
De conto?
Qual o nome?
Poliana e Evandro...
Tem não.Vou ver no google... Aonde viram esse livro?
O professor pediu, é trabalho.
Estranho.... Vera, Vera, conhece Poliana e Evandro do Machado de Assis?
Nunca ouvi falar.
Nem eu, mas a escola deles pediu.
Vixi.
Tem outro Machado, ou outro Assis que escreve conto?
Não! O professor sempre fala desse Machado de Assis, é ele mesmo, Evandro!
Você é Evandro?
Haham.
Poliana?...
Vem cá. Aqui ficam os livros do Machado de Assis, vê ai o que vocês querem.  

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

castelos de areia

        Society Women as Goddesses, 1935, by Madame Yevonde

Mrs Edward Mayer as Medusa


Com a chegada da primavera, vestiu a roupa de leoparda, cingiu o elmo e seguiu em batalha. Sozinha em longa vigília. Armada de pele guerreira, conquistava reinos em diferentes pradarias. Seus feitos eram narrados em fogueiras pelo mundo. O perfume corria pelas encostas. Morava no coração de cada menina corajosa. Desejavam seus negros cabelos acariciando-lhes a face pueril.  
Até que tudo se transformou em não. Tudo se transformou em não quando almejou reinos proibidos, Casas que não lhe pertenciam, redutos marcados pelo amor. Ela não podia amar, disso sabia, sempre soube. Escolheu ainda criança. A profecia então se fez; seu destino estava traçado. Mas descobriu tardiamente, à margem. A garganta um pouco seca, olhos sanguíneos, não haveria mais volta mesmo para ela, mulher poderosa, imperatriz de suas vontades e de íntimo exército ...   lamentou a única coisa que jamais conquistaria: o amor.
Insistiu de todas as formas; amputou cabeças apaixonadas, arrancou corações pulsantes, sugou corpos de sangues róseos... tudo, tudo para consolar-se a si mesma. Tudo por não estar mais distraída. Assistiu decadente seu império desmoronando. E nenhum choro curou seu esforço...
Naquela tarde os castelos que cultivara foram levados pela brisa impiedosa do mar, esvoaçaram arenosos com o último alento vermelho     

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Elétrica

Para evitar que fosse devorada, munida da raquete elétrica trucidava os mosquitos. Amargurada e impulsiva.  Matava-os dia após dia. Explodiam queimavam ardiam fedorentos o destino de brasa. Sem brecha para a fuga. Ela carregava consigo rubra flor da morte, permitindo que fluísse em silêncio pelos cômodos. Até a chegada daqueles dias mais amenos... eles sumiram, foram. Partiram resignados a sugar sangues alheios. Na boca, só sua própria língua. Ela, descalça, permaneceu estática, aposentada da emoção, da delícia de matar. Começava ela a empoeirar-se. Saiu.
Caminhando em águas profundas do pensamento, foi na esquina da banca do bicho, encontrou com ele. Agora farejava novos horizontes. Colou o coração na boca. Ele ondulou a cabeça excitado, era bela aquela tristeza. Uma pausa, o beijo. Estalo. Ele consumiu-se lentamente nas labaredas da amante. Poeira levitando na brisa. Ela pulsante, elétrica por intensidade.        
                    

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

uma noite dessas na cozinha

Como tirar cheiro de tartaruga morta da ice bag?


Quelônios – como cuidar, matar e enterrar?
www.quelôniosdaminhavidasolitária/tartaruguinha quando nasce
Seus problemas acabaram... borra de café é um ótimo neutralizador de odores indesejáveis... Existe um liquido raríssimo que só nas cavernas do deserto do...

Cheiros desagradáveis – não aguento mais, vou morrer!
www.putaquepariu/issotamuito ruim.org/html
Mistura homogênea de saião de passarinho morto... deve-se matar o passarinho morto para ter a certeza de que ele já morreu... pétalas de Flor de Jade curtidas em óleos de cabeleira de pôneis de 1,35 – 1,40... compra de mini pônei Animais Cavalos Mercado Livre

Vida sem frescura – como limpar a cozinha depois o banheiro..
www.viver -e-não-ter-a-vergonha-de-ser-feliz/ai caramba!!

Água sanitária volume objetivo atingido. Na vida sem frescura tem coisas que não são passíveis de serem entendidas... é matar ou morrer... Sempre lembro de você Se tiver muito lodo ou sujeira sólida..


É! Mas o cheiro ficou entranhado. De tão ruim e forte e denso, chega a impronunciável. Parece que os buracos invisíveis do forro absorveram as micropartículas aquosas que transbordavam da tartaruga... E as tramas se refizeram e uma nova bolsa surgiu e carregará por toda a eternidade a maldição: o cheiro da tartaruga morta...

Cala a boca!

Você acha que dela escorreu?

Não sangue.

Ai não quero mais essa parada! Pode jogar fora, dar pro cachorro, catador de latas, sei lá.

Mas não tem nada.

A gente podia colocar no nosso bazar...

Pow!

Porra você sabe, mas as outras pessoas não... e nem reparou, se a gente não tivesse falado.

Porque tem um monte de coisa velha ai em cima?

Coisa velha o cacete! É nosso bazar.

Hahahahahahahhahaha (arqueando o corpo para trás, agigantando ainda mais a barriga).

O quê? Tem umas coisas ótimas, tem mesmo. Não acha em qualquer lugar. Relíquias... utensílios com história.

Olha esse potinho que mimo, foi titia Astúcia quem fez.

Acho bem... cafona!

Ui! Acho lindinho. Bem engraçadinho.

Oh! Falar que é de porcelana legítima, pintado a mão blábláblá, não tem nada. Porra foi a tia Astúcia que fez. Ela deve ter uns 130 anos. E a velha ainda anda e... baba.

Só isso também.

E daí? Se estiver assim também, oxê!... E o trabalho não é de iniciante, oh o traço, coisa fina... tem estudo...

Escroto pra...

Que que isso? De princesa, eu acho mOOOOU! Deixa eu ver. Tem um pouco de banheiro, vai...

Hahahahhaahahahhhahaha! Ai, ela ta chutando horrores... será que foi a cerveja?

Dói? É castigo.

Não, só está agitada.

... Porra esqueci!

Ficou mole?

Não! Tá bom!

Quer comer?

Não, tô bem.

Come ai só um pouquinho.

Acabei de comer uma pizza.

Quer comer?

Não, comi pão em casa. Se alimenta, more. Uhm! Requeijão, alho-poró, adoro. Ele fica puto com o cheiro.

Tá mas e a ice bag?

Você pode levar esse copão do Bob’s de 1997. Quando o pequeno príncipe veio ao Brasil pela primeira vez. Ahm?Ahm?

Ah vai à merda!

E esse ralador? Nosso artigo mais recente. Além de ralar serve para outras coisitas mais (olhar safado de quem pensou em sacanagem).

Ah é? acha que isso é uma cabeça?

Pequena.

Que que é isso! Vocês tão que tão.

Hahahahahahahahahaha

Então tá, me dá a bolsa assim mesmo, seus escrotos! Nunca vi, uma tartaruga vive uns 200 anos...
Tchau! Lindona.

Beijo querida. Volta ai.

Vamo marcar. Vou fazer o chá mês que vem. Bjuuu. (e foi agarrada na alça).

Hahahahahhahahahhahahahaha (acesso de loucura)

sábado, 21 de janeiro de 2012

Antonio Veloso Maia recomenda a leitura da mensagem "Grandes escritores falam sobre seu ofício"


“...Por começo, a criancinha vê os objetos invertidos, daí seu desajeitado tatear; só a pouco e pouco é que consegue retificar, sobre a postura dos volumes externos, uma precária visão. Subsistem, porém, outras brechas, e mais graves. Os olhos, por enquanto, são a porta do engano; duvide deles, dos seus, não de mim. Ah, meu amigo, a espécie humana peleja para impor ao latejante mundo um pouco de rotina e lógica, mas algo ou alguém de tudo faz frincha para rir-se da gente... E então?...” O espelho – Guimarães Rosa

 “Você nunca termina um livro, você os abandona.” Oscar Wilde

 “...Úrsula, já quase cega, foi a única que teve a serenidade para identificar a natureza daquele vento irremediável e deixou os lençóis à merce da luz, olhando para Remédios, a bela, que lhe dizia adeus com a mão, entre o deslumbrante bater de asas dos lençóis que subiam com ela, (...) e se perderam com ela para sempre nos altos ares onde nem os mais altos pássaros da memória a podiam alcançar..." Cem anos de solidão – Gabriel García Márquez

“Devo meu sucesso a ter sempre ouvido respeitosamente os melhores conselhos, e depois ter feito exatamente o oposto.” G.K. Chesterton


“El método inicial que imagino era relativamente sencillo. Conocer bien el español, recuperar la fé católica, guerrear contra los moros ocontra el turco, olvidar la historia de Europa entre los años de 1602 y de 1918, ser Miguel de Cervantes.” Jorge Luis Borges

Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: quero uma verdade inventada.” Clarice Lispector

Cada um fla um coisa ; onde você entra . . . ?

Misteriosamente em todos! Morro de inveja porque disseram tudo que eu poderia ter dito. Penso muito sobre a ânsia de ser escritora. O que, aliás, já sou! Entretanto vivo em trancos e barrancos tentando convencer as pessoas - as significativas somente, mãe, pai, irmã, bláblá, - que de fato nasci para isso e que se não fizer disso a minha vida, ou pelo menos tentar fazê-lo, prefiro renunciar a qualquer tipo de existência. Vagaria sonâmbula carregando no peito um tipo de tristeza represada num olhar profundo constantemente choroso. 
Pensei naquilo que disse, por que eu, por quê? De tantas primas, irmãs e até leitores desconhecidos... por que justamente eu vim com essa maldição? Ouço vozes diariamente e se não expurgá-las de alguma forma, sinto que posso explodir, ou enlouquecer (se já não estou louca). Preciso lidar com essa esquizofrenia de um jeito natural, fingir que isso é comum a todos, não um privilégio só meu. Então é assim: acredito que as cabeças do mundo inteiro nunca desligam, funcionam engrenadas por delírio dialético desenfreado. Pairam eternamente no mundo das ideias, desbravando seus caminhos e acreditando ser essa a única forma de experienciar o real, ou o que se quer dele. Não estou nem pensando em Platão, ou devo estar, sei lá. Mas a questão é que sempre tenho uma questão sobre as coisas, e isso acaba me deixando prisioneira. Sofro a dor do mundo, das crianças de ruas, dos ignorantes, dos subjugados, das freiras, dos desgraçados, bêbados, loucos, putas... E eu? Eu estou maluquinha, te confesso. Agora que comecei o projeto do livro parece que o todo gira em torno dele. Como descobrir uma nova galáxia, e o livro, o sol. E pior é que nem sei aonde isso vai dar, tenho um pouco de medo, um medo corajoso, mas medroso também. E se ele não sair da gaveta, no caso, do computador? Virar um arquivo morto, que daqui a anos não merecerá nem um backup. Para onde vão os livros que não são editados? Será que um texto deletado, perdido, toma forma de outra coisa? Evapora e encontra na vasta dimensão da Terra nova vida? Seria tão mais fácil ser uma daquelas gostosas que aparecem na tv domingo. Se há bunda, pra que cérebro? Pensar dói, escrever fere. A chaga aberta, fratura exposta que me faz compreender por vias metafísicas, de modo inumano, que não há mais volta. Estou fadada, você sabe.  


Carta desabafo. Foda-se!
Thati Verthein 

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

caras de papel

Modelo criado por Jum Nakao 

Ando pela rua já quase cega. Calor escaldante de janeiro. Pessoas cruzam derretidas num deslumbrante bater de asas. Correm na ânsia de chegar, chegar a algum lugar.  Não sei ao certo se é isso mesmo. As vejo sobre a postura dos volumes externos com visão precária. Mas percebo que respiram de antemão o ar que estava à frente. Expressões carregadas pela poesia do corriqueiro. Entretanto adormecidas ao entorno de magia inexplicável das cores. Descontroladamente a procura de impor um pouco de rotina e lógica a vida. Pensei: gosto das pessoas, gosto de mantê-las por perto, observá-las, saborear a cadência dos gestos, ir de encontro a seu sopro de vida. A saída da barca é engraçada. Lembra-me uma porteira sendo aberta enquanto algo ou alguém de tudo faz para alinhar a boiada. O mar de gentes. Penso se cada qual vive sua vida, se acredita piamente ser quem é. Às vezes me parece que ninguém se mostra como é realmente. Tristeza de molhar constantemente os olhos. Talvez não exista na espécie humana um existir por inteiro, perpétuo. Há mutação, mesmo renegada. Por um lado é bom, acho. Até eu, na alegria de ser quem sou, minto, imagino uma personagem como para todas as outras pessoas. Mas isso não acontece com a porta, cadeira, nem mesmo com o computador, dito senhor da precisão. A garganta um pouco seca de espanto, nem eu sei se sou eu ou não que confessa não saber. Seria ótimo se cada um escolhesse, hoje quero ser gentil, amanhã louca, depois depravado, inseguro, super-herói, intrigante, reticências, palhaço, semana que vem diretora, insalubre, prolixa... amante.... Amo a vida! E ter toda essa sede de destrinchá-la é a minha própria água. Queria que fosse também a delas(es). Ih! Como sonho coisas impossíveis. 

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

naquele ponto

Pearblossom Hwy, 1986.  Por David Hockney 


Bateu no vidro da porta: "posso entrar por aqui?" Um par de olhos arregalados acompanhados do consentimento. O pagamento normalmente um transtorno. Verdadeiro boliche de gentes, não era difícil prever a perplexidade da coisa ao ver o oceano de cabeças mareadas. Ele mal podia posicionar-se no corredor sem abrir clareira imensa e os outros se pasmarem segredando em murmúrios cruéis reclamações. Ia desatento se o censuravam ou ralhavam, ia manobrando delicadamente um estopim de procedimento desatinado. Imponente. Abria caminho com mãos de Moisés. Algumas vezes um trocador mais sensível pressentia a tragédia, indo ele mesmo buscar a passagem, alheio talvez a desgraça ainda maior. Era como se largasse tudo de suas mãos. Em poucos segundos não tinha noção da gravidade dos acontecimentos. Apenas traçava uma reta desmedida, alcançava ligeiramente o enorme homem e voltava aliviado e aturdido do heroico feito. O suor exagerado escorrendo-lhe pelas extremidades da blusa azul e encharcando vagaroso as reentrâncias da calça de tecido grosso. O motorista espantado sentia um leve reclinar do veículo para o lado escolhido pelo enorme passageiro. Ele quando sentava, acomodava-se em dois bancos, desgarrado da parte sobressalente depositada no corredor.
Via tudo... Casas coloridas de pedras justapostas, prédios gigantescos com comércios enovelados e pessoas, muitas delas, de todo jeito de situação. Pensava se ninguém tinha real poder sobre elas. As pessoas do lá fora. Capazes de se locomover livremente a seu bel prazer. Invejava a astúcia daqueles seres caminhantes, mesmo que solitários, órfãos, encardidos, desajeitados, paranoicos, violentos, pobres, bêbados, medrosos... Podiam andar e repetir constantemente o passo.             
Olhou no vidro o reflexo dos passageiros da lotação que passava paralela ao lado oposto de sua janela. Espécie de projeção espectral sombria.

Confundia sobras nevoadas de árvores camelôs postes tonalidades de transeuntes com pessoas reais sofredoras trabalhadoras inseguras calejadas do trajeto desalmado do ônibus.

Desconfiava da magia de notar um ônibus idêntico ao seu passando do outro lado da estrada. Cena expressa em câmera lenta, caricato espelho, um lapso temporal que tornava a simultaneidade do encontro possível. Era como se fosse ao mesmo instante dois, indo e vindo, chegando e saindo, cortante e penoso; duplo.
Não queria ser dois. Não queria ser nem um. Sendo um já era dois, em qualquer ação cotidiana ocupava o lugar de dois, tamanha desproporção...
Odiava longuíssimas viagens, sempre algo vinha ferir-lhe a consciência. Os olhares denunciavam um sentimento de culpa carregado de desprezo. Pensavam: como conseguiu chegar a esse ponto? Mas a verdade era como conseguir não chegar a esse ponto? Diziam que era até novo, sem apetrechos, mas novo. E olhavam-no com aquele olhar funesto continuadamente. Encolhidinho o filhotinho abandonado.
Não queria pena, só queria paz; luz não treva!
Todos os pontos em que descia alguém, imaginava como seria viver ali em benefício de um mundo de possibilidades. Lembrava estórias que nunca vivera só para sentir um gostinho adocicado na boca... Memórias de flor, de calor, um transbordamento bom... Pôde até romper em riso ao recitar nova existência. Respirou fundo e sentiu o ar entrando preenchendo seu enorme corpo flácido. Percebeu que o vazio chama o cheio. A completude da metade que chama o inteiro.
 Ahhhh!(suspirou)
"Meu rapaz... deixa deixa posso resolver, já ouviu falar da dieta da Lua?
Voltou a si sorrateiramente com o tapa na cara. E mais uma bizarra dieta pé-ante-pé para sua infinita coleção.
"Não te perguntei nada, minha senhora. Obrigada e passar bem!" Desceu num ponto qualquer mais adiante carregando consigo entranhado no estômago todo o zelo de ser como é. O sorriso de ursinho carinhoso.    

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

sonhos brumos II


Mia Farrow em O Bebê de Rosemary de Roman Polanski, 1968.

Tchau amor! me liga..


Abriu a porta de madeira masciça arrastada naquele usual ruído estranho. A casa estava na penumbra, não deixavam mais as luzes acessas, queriam economizar. Ninguém outra vez. Era como se as irmãs não existissem mais. Nunca as encontrava e há tempos não se falavam nem ao telefone. Sem brigas nem desentendimentos, simplesmente não se falavam, como estranhas que dividem a mesma casa. A última vez foi no aniversário do primo, aquele esquisitinho e bobalhão que tem um monte de amigos.


Muito mais que eu! Não costumo cativar as pessoas, só cultivo plantas. Até mesmo minhas irmãs, mero decalque social. Na festa, nos beijamos e abraçamos lindamente como manda o decoro familiar. Na verdade, às vezes esqueço delas, temos horários muito diferentes. E quando estamos em casa, cada uma se tranca em seu próprio universo. A Celina sempre romântica, chorando com seus filmes e esperando um chamado de amor. Catarina descabelada vive escutando cada vez mais alto o rock 'n roll estridente que gosta, chama aquela merda de punk rock. Detesto! E eu, não sei o que deu na mamãe para me chamar de Criselda, parece nome de bruxa de conto de fadas... Porra de nome escroto! Se queria ser criativa e colocar todas as filhas com C, que fosse pesquisar num livro, sei lá... Aceitou o primeiro nome de ninguém que ouviu e ainda deve ter dito: " nossa nunca tinha ouvido, que diferente!" Era justamente o que um namoradinho gracinha que tive falava quando perguntava sobre meu nome; se era bonito e coisa e tal, ele falava igualzinho, só que com outras palavras bem parecidas. Tornei-me Cris, a sórdida; a com apavorante receio de ser Selda.

Andou em direção ao quarto e quando olhou para o chão, assustou-se com uma barata na reta da porta do banheiro. Fincou-lhe o pé com toda força, porque barata ou você mata de primeira ou prepara-se para uma corrida desvairada. A asquerosa nem se mexeu ao sentir a sombra da morte... já estava morta. Lembrou-se da barata que matou dois dias atrás numa corrida desvairada e esqueceu-se de jogar o cadáver no lixo. Gostava de digerir o assassinato antes de se livrar do corpinho. Ontem voltou para casa pensando em sua vítima, mas o animalzinho havia sumido.Sensação de alívio aterrorizado. Se é que se pode traduzir tal sentimento em palavras. Foi tomar banho, despiu-se. Ao abrir a cortina do box, lá estava ela, agonizando, as terríveis perninhas para cima. Vivenciou a cena de psicose às avessas. Morria de medo de barata, ainda mais sendo aquela um fantasma de barata... Pior! Era o seu maior pesadelo. Maior da vida! Enfrentar uma barata pelada no box. Ela e a barata. Imaginava o asqueroso inseto entrando lá... sensação úmida, suja, gosmenta... As irmãs... Celina nunca a mataria por pavor e Catarina por indiferença.

Tive receio de trucidá-la. A bicha morreu por si só dentro do vazio e úmido box. Morte indigna para o mundo das baratas. Morreria num azulejo branco e cheiroso. Estaria fadada ao limbo de sua espécie, distante para sempre dos abismos insustentáveis e imundos que lhe reconfortavam a alma de inseto marginal. Precisei sair. Antes, embolei três quilos de papel e joguei o corpo no lixo do banheiro. Desesperada com a possível ressurreição de perninhas serelepes roçando meus dedos indefesos. Feito... Mas agora, lá estava ela. Era ela. Ela. Olhei assombrada para a lixeira do banheiro e no chão... ao lado da lixeira... atrás da privada, o chumaço de três quilos de papel. Tive certeza de que era ela. Entretanto, dessa vez escorria uma substância espessa verde abacate do corpo desmantelado. Joguei de novo no lixo com mais quilos e quilos de papel.


6:02 marcava o rádio relógio. Ajustou o despertador para 8:30. Precisava falar com o chefe como se quisesse ir, e não pudesse. Nessas horas você tem sempre que ligar antes, senão dá muito na pinta. Vestiu um blusão e deitou-se (merda, duzentos reais negativos; olá Sr. Huguet, como vai? não queria ficar sozinha hoje, até puxaria assunto; aí! vai dormir, você só tem duas horas) Abriu os olhos e o relógio marcava 6:02. Resolveu pegar uma água para refrescar os pensamentos intrusos e acalmar-se.


Quando sai no corredor... lá estava a barata no mesmo lugar. Fiquei paralisada, olhando sem saber o que fazer. O ímpeto de pisar nela, a fez correr ligeira e no meio da sala transformar-se numa sombra de proporções imensas....
... sem ar... acordei, 6:02, estiquei o corpo para tentar enxergar o corredor da cama sem levantar. Não tinha nada, nem um nem outro. Tensa, observei atentamente o quarto e avistei em cima da estante um chumaço de papel higiênico, quase morri de medo, mas recordei a gripe da semana anterior. Precisava de uma água para relaxar. Sai do quarto na penumbra, tateando paredes para encontrar a luz da sala. O interruptor não funcionava, perecia queimada, sem ter dado nenhum estalo. Droga! Virei em direção ao quarto para voltar e acender a luz. Do escuro pude ver nitidamente um homem passando pela porta do meu quarto e acendendo a luz...
... acordei com muito medo, as pernas trêmulas, apertando sedenta o cobertor, suando frio. Nunca quis tanto que minhas irmãs chegassem. De olhos cerrados, forçando para abri-los. Não queria dormir de novo, queria ficar um pouco desperta. O cansaço apossava-se de todo meu corpo. Estava dopada de sono. Olhei o relógio, 7:02, que alívio! Agora sabia que não estava mais sonhando, era só medo mesmo, mal-estar resultante dos pesadelos. Há muito não sonhava. Precisava voltar com pesadelos? Será que fiquei impressionada com a barata imortal? Estiquei novamente o corpo para tentar ver o corredor, quando a visão estava quase alcançando o lugar de onde encontrei a barata... Dei um pulo espasmódico com o barulho da janela. O barulho indica que alguém está abrindo o portão. Ouvi também o som da chave forçando a fechadura. Felicíssima! Corri para a sala para retirar minha chave da porta, pois impediria a entrada da chave de minha irmã. Quando encostei a mão na chave. AAAAAH! Uma mão desconhecida segurou a minha através da porta...
Acordei esperneando batendo cabeça braços e pernas... 7:02, comecei a chorar descontroladamente soluçando e babando feito um bebê pirracento...


(Barulho do rádio relógio - escolher uma música) e ela acordou nervosa com o corpo enrijecido pelas lembranças, o gosto ácido na saliva. Os olhos arregalados avistaram 8:30. Levantou fingindo que nada tinha acontecido. Tomou uma água, ainda aturdida, tentando não pensar em nada, só no que diria a seu chefe, porque isso sim é que é real.

Alô! Sr. Huguet, como vai? Infelizmente hoje não poderei ir, é que

terça-feira, 18 de outubro de 2011

A Festa da Noiva Desdesposada

                                                                                                                                                                   

foto de Irina Ionesco 



Essa história foi uma velha que vende óculos na rua do Ouvidor que contou. Sabe a rua do Ouvidor? Fica no centro do Rio de Janeiro. Da barca que cruza a baía de Guanabara, você consegue pegá-la até o Saara. A velha fica numa dessas esquinas da vida, sentadinha com olhar perdido, como fosse uma cega, mas vende óculos.   
Disse que o ocorrido passou com a sobrinha da vizinha da encantador de cães da madame que era amiga e até meio-irmã da outra emergente, aquela que traiu o marido com o mágico que destratou o filhinho de um ano na festinha de aniversário, mágico grosso. Mas isso não vem ao causo. O importante aqui é a sobrinha. 
Era um casamento. A noiva estava se aprontando. Juntaram-se a ela várias mulheres; amigas irmãs tias primas mães avós enxeridas prestativas supersticiosas outras que ali passavam. Disputavam com unhas e dentes um pedacinho de noiva para enfeitar. Estavam nervosíssimas, verdadeiro pandemônio dentro da igreja . Como a velha mesmo disse: “ toda mulher guarda dentro de si o verme do desespero antes do casamento (alisava o ventre como se estivesse grávida)”.
Passado algum tempo, despontou dali a noiva... belíssima em seu olhar de noiva, o vestido de princesa, mangas bufantes, tules, rendas, transparência de sonho... o cabelo ornamentado de galhos e flores silvestres. Aaaaaaaaaaah! Primor de mãos amorosas. As mulheres suspiravam uma atrás da outra. 
A noiva inquieta. Sentia uma coceirinha sutil em diferentes pontos da cabeça, quentura, um estremecimento... “ai está coçando muito!”... "NÃÃÃÃO!"  Cada vez que a mão vacilante aproximava-se do penteado, as cabeleireiras, maquiadoras, massageadoras, animadoras, incentivadoras mulheres ficavam ensandecidas. Em coro: "Você não pode deixar o nervosismo estragar o seu dia. O dia."
A Tia avó falou: “coisinha é assim mesmo. Agora vai te dar de tudo. Dor de barriga, enxaqueca, de ombros, costas, virilha, queimação, tontura, pernas trêmulas e pálpebras ardentes. Mas não chora não, se não borra a maquiagem. Língua no céu da boca, vai... Eu sei como é isso. Já me casei seis vezes. Até hoje fico nervosa, uma loucura.”
Não escutava uma palavra! Como se em ínfimos intervalos de tempo lhe alfinetassem minúsculas agulhas agudas e quentes na cabeça. Em maresia apitava numa espécie de limbo. Alheia a qualquer psicologia da cerimônia. Começou a andar pesado, arrastando-se. Empurraram-na de soslaio no meio da igreja lotada. No tapete vermelho sangue ao som de violinos, violoncelos e vozes líricas, não haveria retorno. “Vai menina!” Sopraram ao fundo. Ela andava homeopaticamente penitente com uma ânsia inenarrável de arrancar tudo, penteado e roupa. Despir-se daquele desespero. Pungente e verdadeiro. Seria o prenúncio da dúvida? Não! Era corpóreo, visceral. Só ela o sentia, descontroladamente a vertigem tomava conta de seu corpo, a visão turva, pernas moles involuntárias...
Não! Amava aquele homem, tudo o que mais queria. Então o quê? Resgatou suas últimas forças e andou esbelta e alucinada todo o corredor de seu tormento e glória. Um passo após o outro, passo após... passo... entoava o mantra para conseguir vencer a estranha sensação. Por um momento desanuviou o espírito.... Logo o corpo enrijeceu desaliviado e só conseguia ver três imagens: o noivo, o padre e a cruz; noivo padre cruz, noivo padre cruz, noivo padre cruz... Quando finalmente chegou ao pé do altar, olhou para o noivo com olhos fundos de dor, olhou para o padre com olhos de clemência, olhou para a cruz... e caiu!
Foi um reboliço de parentes desconcertados e palpites intrometidos. “Ih! a noiva passou mal.” "E o casamento?" “Oba vamos direto pro birinight!” “Coitadinha! Tão jovem pra casar.”
Levaram a noiva para o hospital e no caminho, já estava morta. A festa da noiva morta, menina amante morta! A morte nada prematura foi descoberta no hospital. Primeiro, começaram a despir a noiva. O vestido de infinitos botões um a um, anágua, meia, sinta, nada.... A desfazer o penteado de galhos tortuosos e flores morta-vivas. O cabelo ia desfazendo-se lentamente... e com mechas pesadas a laquê... caiam lacraias gigantescas. Sete lacraias grotescas e insaciáveis dilacerando o couro cabeludo da noiva. As peçonhentas escorregavam pelo rosto. Agitadas pela luz fluorescente cavucavam furos profundos na pele. Proliferando em ninhos umidamente complexos na cabeça de madeira podre.
Escatológico e o verme do desespero antes do casamento cresceu ainda mais e as mulheres...
 É medo de lacraia



terça-feira, 4 de outubro de 2011

Os Aspones

Você viu aquele seriado, os aspones? Com Selton Melo.
Sei. Repartição pública
Olha... igualzinho! Era na rua da ajuda, uma ruinha no centro perto do castelo. O prédio meio velho, mal cuidado. Fui pegar o elevador. Quando entrei, a maquinista sei lá, era uma anã. Não por isso, mas estava naquela cadeira gigante com os pezinhos balançantes. Eu disse: décimo quarto, por favor. Ela apertou vários andares. O elevador subia até o dezessete. Mas lá pelo quinto andar, nossa primeira parada, saiu gente e tinha um senhor parado à porta. Ele perguntou: desce? Ela disse que sim. Nos entreolhamos estranhamente e seguimos. No oitavo, outros passageiros desceram e quando duas senhoras perguntaram: desce? a mulherzinha disse sim. No décimo, a torcida para baixo era bem maior e quando um senhor entrou perguntando se descia, as portas fecharam e o elevador começou a descer. Não sei porque aquilo me deu um acesso de riso que abafei com a mão sobre a boca. Eramos quatro sem conseguir alcançar o destino. Uma mulher meio alterada (nessas horas sempre tem um transbordamento) disse: oh! minha filha, o elevador estava subindo, eu tenho hora, não posso ficar passeando não. Achei mais engraçado ainda e saiu um esparro fugitivo tipo um sopro mal direcionado, a mulher me olhou com olhos fuzilantes. Lá pelas tantas, o elevador retomou a subida. Pensei se um dia ele voltaria ao chão, talvez não, porque na concepção daquela maquinista ele sobe e desce para sempre nesse movimento, nunca para. Acho que na concepção dos maquinistas do mundo inteiro é assim, a caixa de metal sobe e desce, nunca para, é a maneira mais próxima de iludir alguém ao céu. Teve até um momento que o elevador parou, não recordo em que andar, ela com a cabeça inclinada perguntou: desce ou sobe? Por ela, seria capaz de atender a todos os desígnios de caminhos traçados a um só tempo; do sobe e desce...
No andar, um corredor distante tomado por um roda meio de madeira maciça. Andei andei andei até alguém se compadecer: aonde vai? Para FDGR, não não, ABYG... (uma daquelas siglas esquisitas, que quiça não quer dizer nada ao certo). Entrei na sala, pessoas taciturnas comendo bolachas mareadas pelo som do ventilador de teto, artigo pré-histórico que compunha bem o lugar de nevoa sebosa. Pilhas de papel amarelado formavam pilastras gigantescas, alicerces na iminência de uma catástrofe nada prematura. Fiquei em pé algum tempo olhando invisível, nada interferiria na perfeita conformação daquela cena, entidades de cera cristalizadas pela matéria insolúvel do dia-a-dia. Questionaram-se entre si, quem é essa aí? Eu disse, sou estagiária, preciso de uma assinatura do Sr. Chefe de vocês. Questionaram-se entre si: quem é Sr. Chefe? Não sei, pode ser aquele que fica na sala ao lado. Ah é! Então vai lá. Vou não, ele é muito ignorante, vai você. Entrei na conversa: eu posso ir? Não! Nem pensar (suou uma gargalhada sarcástica da mais gordinha que mordia o canudo do guaravita fazendo transbordar gotículas na papelada deitada à mesa). Uma delas foi. Na verdade, suspeitei se nem ao menos chegou a ir. Foi tudo tão rápido, ela saiu pela porta e voltou. Como se tivesse parado o tempo, como se tudo no momento lhe pertencesse, o tempo estava a seu lado, tamanha a sutileza da parada imperceptível, quase espectral. Chegou e disse: deixe seu papel aí, ele está em reunião, depois assina. Olhei desconcertada aquelas pilastras de papel pensando se um dia, quando estiver bem velhinha, com os ossos fracos e as articulações perdendo a esperança, eu reencontraria aquele documento envelhecido, puído, sensível ao toque. Alguém diria ao tentar lê-lo com a pinça antes que desintegrasse em micropartículas brilhantes empoeirando a sala e atiçando alergias adormecidas, que ficou anos exposto ao sol ou mergulhado em limonada suíça ou até casado com um grilo não mais cantante na gaveta. Imaginei uma senhora distinta, porém carcumida pela culpa de saber a verdade, nunca recuperaria aquele papel, aquele maldito papel assombraria sua vida eternamente, fazendo-a mergulhar numa rede diabólica. Mal registraria o fato do serviço público ser assim mesmo; todo dia infinitos papéis perdem-se na vastidão de um universo com realidade desconhecida, incompreensível. Viveria peregrina esperando encontrar um novo sentido para sua fútil passagem pela existência, teria certeza, se tivesse recuperado aquele papel tudo seria diferente, obedeceria as exigências de si mesma, de alguém que vai e faz, capaz de conseguir uma assinatura, uma simples e ridícula assinatura, como pessoa, como cidadã, uma só assinatura, uma só uma e a burocracia vai...

terça-feira, 13 de setembro de 2011

sonhar é


o verme insalubre da insônia ataca novamente, as imensas garras envolvem as têmporas fazendo-as arder em prazer inenarrável, desfaz-se o véu das convenções noite-dia-dia-noite, quem possui a chave e seu segredo? a vigília para sempre sendo para sempre ela e só ela sempre para o corpo que clama por movimentar-se alheio ao mundo que dorme, alheio ao código impetuoso do sono, descrente da saúde como aliada do dia e divorciada da noite, noite bela, lua azul, corpo imóvel, cabeça intempestiva... olhos arregalados na escuridão do quarto, única luz, base fluorescente de prata do olho de gato, duas luas perdidas no espaço, temerosas pelo corpo inerte no casulo de edredom... as horas badalam badalam badalam o eterno-retorno do vício do tempo, e as chagas nunca morrem, não se vão, ficam, regurgitam sabedorias milenares, histórias que nunca deixam de ser contadas, histórias regentes da existência do mundo, histórias histórias histórias inventadas, seja uma lenda, um romance, uma saga, qualquer coisa esclarecendo o que no mundo circula e o é.

amanhece... uma nevoa densa cobre a plantação de ervas, lá, somente um homem bate um martelo, som que se aloja dentro de minha cabeça intempestiva, agora serena, crente de que o mundo não para, assim como o tempo, não qualquer tempo, mas aquele... aquele capaz de dizer ao corpo o quanto ele sofre com as frequências do lá fora, mesmo sonhando de braços cruzados com o de dentro

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

A lenda do pênis de lápis e da buceta mil folhas

Sex, 1992. Madonna and Steven Meisel


A rua era toda cinza sempre do mesmo jeito, olhares sorrateiros e dias passam...Os dias monótonos, e eu fui ao supermercado. Andava canalha, uma cortina densa, a bolha. Não enxergava nada, andava espantalho, boneco de títere. O diálogo com mãos estranhas e aveludadas me guiava, despia caminhos possíveis ou antes já vistos. Fantásticos. Um apê todo montadinho, sofá bem confortável, isso tem que ter. E churrasqueira. Porra é muito foda! A galera tomando umas cervejinhas... Ih caralho! Passou a entrada da loja.


Tenho certeza que tem alguma coisa a ver aquele porco, por que passou na minha frente de madrugada? - Você está surtada! O animal nem olhou para você. - Mas reparou minha presença, estava devorando faminto repolhos tomates alface cascas cascas madeira podre ossos ossos, quiça de gente, o banquete e ele sozinho insaciável. Quando passei, ele foi ficando nervoso endiabrado, continuava comendo desesperado, senti sua fúria, fiquei até com medo, alguma coisa vai acontecer, qualquer coisa de sendo.

Boa tarde. Ouvi esssa coisa de porcos eu adoro porcos. Hoje vai rolar uma cervejinha lá em casa. Talvez você... sua amiga, mais algumas amigas. Meu tio criava um porco muito bonitinho, um belo dia ele matou o animalzinho e depois chamava o bicho de Jesus dizendo que o porquinho era muito iluminado. Lembro do animal todo ensanguentado no chão, gritava igual gente. Atormentado por todos os tipo de pesadelos.


O quê?O foi foi? Estava ouvindo a nossa conversa? Desculpe, meu caro, eu te conheço? E o que está dizendo? acha que alguém da minha família vai morrer? Você está louco? Por quê? Os legumes do porco tem relação com minha aversão a comida? Por acaso eu vou morrer de inanição? Está louco? Acha que não dou conta da minha vida? Você tem alguma coisa a ver com esse porco? Eu já te vi antes não é? Eu te conheço... eu te conheço, foi você que passou outro dia na esquina perto da loja de macumba? Era quem falava aquelas coisa quando eu era criança?


Ela era fantástica. Só podia estar interpretando, nunca vi pensamentos tão rápidos. Já tinha a história toda em sua cabeça, e nós nunca... essa mulher! Quem será ela? Se mexe como uma louca desvairada. Deve ter um mundo de fantasmas nesse corpinho. Sou Luciano Incandescente, escrevo contos sobre horror caseiro. Não gostaria de conversar um pouco? Um bom vinho, conversaríamos sobre qualquer coisa, assim... o que vier na cabeça, que tal? Adorei conhecê-la, gostaria de explorar sua mente brilhante um pouco mais a fundo.


Fundo? Luciano Incandescente? Luz que queima? Coisa mais estranha? Chegamos no supermercado e? O quê? Nada? Meu nariz sangrou hoje de manhã e o seu? Acha que o clima está seco? Insuportável? Desprezível? Infantil?... Vamos amiga? (para a quietinha ao lado) Daqui a pouco vai dizer que quer nós duas? Que teríamos a experiência mais impressionante de nossas vidas? Que tudo mudaria em nosso mundo? Veriamos a completude.... ou o verdadeiro sentido da vida? Meus Deus? (para o cara)


Você já fez cinema? Talvez como atriz. Você é muito gata, mas não. Vamos pensar em histórias, como uma simples história, uma ficção inventada por você mesma poderia mudar o seu mundo, ou o mundo, ainda como um mundo menor dentro do seu. Seriamos ou seremos? Os dados estão a sua frente. Escolha o que de melhor enxerga. Adoro. Juntos encontraremos sim o nosso espelho. Nada mais há de funesto. Somente olhos dilacerados pelos braços que se entregam a mim na vontade de serem meus, nesse jogo de sedução incandescente, que no meu caso é em dobro. Hoje, só hoje. E vai saber.


Sempre ataca as mulheres no supermercado? Isso é uma prática sua? Veruska Ur..., volta aqui... Úrsula? Viu o que você fez? Todas são assim para você, né? Pensa igual a um garanhão adolescente? Imagino aquele menino playboyzinho, não era? Assim: sempre em cima daquela gostosa da rua, os seios aureolados, silhueta languida completamente rebolante, quando o broto descia a rua, requebrava feito um croqui de pin-up, a cintura alinhando os quadris perfeitamente. Você dopado, pois podia sentir de longe o cheiro do sexo dela. O núcleo da devassidão celestial. Quase não tinha cabeça, era apenas uma área pubiana independente de qualquer outra coisa que emergisse do espírito. Encontraram-se... festa? Viajem? Não, bem simples, os dois eram sonâmbulos e esbarraram-se na rua. (tom sarcástico) Tipo... dois sumbis, o que acha? Perfeito? Olhou para ela, ela olhou para ele. Uma gota de suor escorreu molhadinha pelos seios dela, era encorpada, ela também, mas a gota. Como eram sonâmbulos, quiseram fingir que sonhavam e foram até o chafariz no meio da praça, fornicando, se apertando angustiados pela ânsia de se reconhecer pelo toque. Caíram na água leves como pluma. As mãos dele percorriam o corpo dela escorregando no vestido e marcando a coxa com um vermelho de unhas. Ela dava gritinhos acariciando o pescoço dele. Tudo aquilo era possível, não passava de um sonho. Juntos cultivavam o álibi. Arrancaram roupas enlouquecidos, balançando a cabeça como se possuídos pelo demônio do prazer. O calor do corpo refrescava a água que num eterno retorno banhava-os imprudente. Ele abriu as pernas e desbravou o caminho do objeto de desejo. Estranhamente pensava em coisas como: existem extraterrestres? o que faria se ela fosse um deles e tivessem um filho? Pensava absurdos espetaculares e o pênis em riste, belicoso. Entrou numa viajem intergaláctica e viu o filho deles meio extraterrestre, meio demasiadamente-homem. Imerso nessa experiência bizarra dissociado de seu corpo que trepava faminto no ventre da moça. Então percebeu a possibilidade de provar se quisesse que alma e corpo podem se desligar do cérebro, eles não dependem do cérebro, entende isso? Entende a magnitude disso? Precisamos do cérebro pra tudo. A delícia, a penetração macia, desuniu pensamento e corpo. O homem irracional viu o sexo misturado com o amor, com algo que não nos pertence somente. Capaz de mover a tudo. Aquele corpo antes só corpo agora transformava-se numa coisa imensa quente e úmida. Nos múltiplos lábios, folhas e mais folhas de pele, o membro deslizava corajosamente, introduzido no frenesi das carícias de um tufinho de pentelhos. A mulher sentia o toque do pênis como fosse um lápis de ponta bem apontado. E aquilo lhe dava uma emoção intrigante. Reconheceu em si mesma a predisposição de remexer como nunca antes. Rebolava e rebolava. Redescobriu sua descendência de mulher da vida, de mulher primordial, sensitiva, sempre sendo. Todas as mulheres tem um lapso instintivo na intimidade. Estava preenchida, engravidada por uma energia voluptuosa, sem escrúpulos. Estágio evolutivo do prazer, do cosmos. O chafariz, o proibido, as mãos apertando os fluidos, tudo a fazia pensar nas maiores escatologias. Comia o órgão ereto do parceiro numa belíssima mesa de jantar com inúmeros modelos pelados em poses flexíveis. Imaginou que sugava o Incandescente para dentro de seu ventre e ele enlouquecido, rabiscava as paredes do útero, como se estas não servissem para nada, apenas para alojar um feto. Ela olha para si e vê nos braços feridas crescendo horripilantes. Lembravam cortes delicados a navalha. Iam aparecendo e formando um desenho. Palavras. Assombrada pelas palavras que brotavam de sua pele feito bordado em tecido, empurrou Luciano e correu, correu mais que as pernas pudessem aguentar. E o ginógrafo estatelado viu fugir sua fina estampa. A profecia profetizara-se. Nunca mais aquela história seria reescrita. A excitante lenda do pênis de lápis e da buceta mil folhas.

Enquadramento fabuloso!

quarta-feira, 27 de julho de 2011

é o mistério mais impressionante, maior no mundo, coisa mais fascinante, tesouro mais difícil de encontrar...


Essa é uma história que minha avó sempre me contava. Vou tentar contar como ela fazia: "minha filha, não tem mistério mais impressionante, maior no mundo, coisa mais fascinante, tesouro mais difícil de encontrar... do que um guarda-chuva. Essa história é boa pra dias de chuva... e pra dias sem chuva também, porque se a gente pensar, um guarda-chuva mesmo, não guarda a chuva, que, na verdade, sai pingando e escorrega por chão, não é mesmo?
Ele guarda é são outros segredos, enigmas indecifráveis... É que um guarda-chuva, você num fica com ele muito tempo não, né? Sê pode perder pelas ruas nas andanças por aí, pode esquecer no banco da lotação ou na casa de um amigo, que nunca devolve, por que isso, não é coisa de ser devolvida não. E quando abre mal aberto e o bicho se quebra todo? Tem jeito não, é muito estranho mesmo, na minha época não era assim essas coisas que num dura tempo.
Mas a história é a seguinte, você sabe o que é uma libinha? Sabe não? Nem nunca viu? Então eu vou te ensinar. Libinha é assim: sê estica bem uma das mãos, pode ser qualquer uma delas, a outra, junta o dedo maior com o dedo de colocar anel, tipo casando o simbolo da paz, sabe? Ai tu bate com os dedinhos assim fechadinhos aqui no meio da outra mão que está bem aberta... vê só que barulhinho bonitinho? Isso que é uma libinha. Agora... não pode parar não, fica fazendo a libinha ai, pra fazer o clima da história. Muito bem!
Um dia estava chovendo muito muito mesmo, uma chuva assim de espantar criança abusada e homem valente, uma chuva torrencial, mas parecia que tinham aberto uma cachoeira no céu. Estava andando apreçado, lá pros lado da pontezinha, um bicho assim, uma coisa grande... mais parecia uma mulher. Foi quando ela olhou... (cadê a libinha?) E avistou parado do lado da ponte... um... duvido alguém acerta o que ela achou... um guarda-chuva. Mas guarda-chuva não é coisa que se acha não, é mesmo muito perigoso achar uma coisa tão... é o mistério mais impressionante, maior no mundo, coisa mais fascinante, tesouro mais difícil de encontrar...
Quando ela abriu, o bicho se entortou todo pra cima e ela ficou com tipo uma bacia d'água em cima da cabeça, sabe? Bem que descobriu um jeito de guarda a chuva mesmo, né? Depois, ela tornou fechar e consertou o treco pra abri de novo, mas nessa hora... bateu uma rajada de vento, que nunca ninguém participou de coisa igual. A ventania formou um vendaval de vento que circulou a mulher feito uma mão gigante e saiu carregando ela pros quintos de sei lá onde... e ela coitada, levantou voo num instante. E cadê que soltava o guarda-chuva? Sem perceber que o troço ainda ajudava mais no rasante. E foi subindo subiu subindo... e sumiu nas nuvens negras da tempestade... foi com seu guarda-chuva, soltou não senhor. É que guarda-chuva, digo e repito, é mistério mais impressionante, maior no mundo, coisa mais fascinante, não é tesouro que se ache a-toá. Então minha filha, se um dia você vir um guarda-chuva dando sopa na rua.... se vira o olhar e faz que não viu, faz que não viu..."

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Symphony - Erick Oh


Floresta Negra de símbolos
a vida realizada por inteiro na sinfonia do cosmos
corpo imenso, intransponível
eles eram muitos
muitos são
tudo embaça o seu olhar e
andando e perpassando
quem sabe vive outra vez

video

terça-feira, 5 de julho de 2011

Templo dos sonhos


Empty Dream por Mariko Mori (recorte)

Problemas em atrasar o relógio? Posso garantir que isso só facilitaria

Última chamada para embarque na nave louca, nuvem cigana da Madame Tormenta Furtacor...
Para aqueles que acreditam no fim do mundo,
não se afobe não que nada é pra já, ainda há tempo de rever alguns conceitos e tramas mal fiadas por fiadeiras inexperientes.

"Je est un autre" (isso não é nada mau)

Em algum momento perdido acreditei ter passado reto pelo Templo dos Sonhos, mas logo descobri que ele é itinerante... então vamos juntos? encontrá-lo em varandas por aí... ver se desbravamos pradarias diversas, antes nunca exploradas, cheias de poesia e chocolate?

Meu rosto hoje reflete feito o espelho da alma células psicodélicas e também suaves em sua vastidão de vida interior para o mundo. O cosmos assemelha-se a elas e num balé fantástico saem bailando juntos, fluidos celestiais e células, homem e mundo.
Espreito o silêncio esperando a iluminação do rosto espelho alma, águas que vão e vem, águas que dominam meu corpo no cântico dos cânticos.

Vejo pessoas, milhares delas vestidas iguais, uma espécie de pronta-entrega do cotidiano, percebo que essas vestimentas castram qualquer suspiro criativo que possa existir em um ser naturalmente sensível. Uniformes coisificantes, máscaras malfadadas.

Eu nada entendo, assim como não entendo a estranha magia da palavra que clama por ser usada sem sentido aparente e desabrocha como uma flor e a cada momento desponta num imenso jardim imaginário. Templo dos Sonhos